Uma verdadeira farra com o dinheiro público está ocorrendo em Açailândia, mais precisamente dentro da Câmara Municipal de Vereadores, patrocinada pelo Presidente Felisberg e a mesa diretora, composta apenas por aliados de primeira hora do vereador. Empresário, oriundo do ramo privado, o parlamentar que hoje comanda a casa de Leis, desrespeita as tais de forma contínua, e trata o dinheiro público como se fosse seu, segundo vasto material de denúncias apresentadas ao Ministério Público.

Nas vistas da Promotoria de Justiça, diversos contratos duvidosos com indícios totais de improbidade administrativa tem sido feitos. E que o Portal do Negão traz agora, com exclusividade.


No dia 09 de abril a Câmara Municipal realizou licitação para compra de matérias de informática, onde naquele dia, duas empresas saíram vencedoras. Mas no dia 15 do mesmo mês, de forma totalmente atípica, a Câmara comprou os equipamentos em uma empresa que não foi as ganhadoras da tomada de preços.

Dois notebooks e uma impressora foram comprados por R$ 13.780 reais, valor que literalmente daria para montar um Cyber/ LanHouse. Os detalhes deixam o fato com mais indícios de crime e lesão aos interesses públicos. Os equipamentos foram comprados no Comercial Araújo, que não tem na sua lista de oferecimento tais materiais, mas sim produtos de R$ 2.99, comprovando que não é especializada na área.

Outro ponto passível de punição, pela Lei, é a falta de informações no Portal da Transparência da Câmara, uma exigência legal do Tribunal de Contas do Estado – TCE/MA, como por exemplo, quando o Legislativo Municipal comprou da empresa C.M.J Silva Mercatil o valor de R$ 16.350.00 reais em máscaras de prevenção a Covid-19, mas a Câmara não fornece o utesilio para o público, ou para os próprios parlamentares, segundo denúncia feita por vereador ao Ministério Público.

No Portal da Transparência consta apenas o pagamento, sem especificar de que tipo de despesa se trata. Já com a empresa de consultoria Moraes LTDA, o contrato foi no valor de R$ 16.390.00, em denuncia para Promotoria/ Promotora Glauce Malheiros, vereador afirma que não teve acesso, quando pediu oficialmente as informações sobre o gasto. Seu pedido foi negado. Deixando evidente que de fato, na atual presidência, a casa do povo é de um pequeno grupo que está administrando um órgão de dinheiro público, como privado.

Detalhe que chama atenção é que, não sendo redundante, as acusações contra o ex-presidente Ceará tinham alguns graus de semelhança, e ao tomar conhecimento de denúncias, pela Imprensa, não tardou para haver operações quase diárias, a época, na Câmara Municipal, resultando em pedidos de afastamento da mesa diretora e processos de Improbidade. Um questionamento se faz necessário: o que mudou, com exceção da troca de comando do Legislativo, na situação? Por que o Ministério Público não está tomando providências cabíveis?

A Promotoria / Promotora Glauce Malheiros precisa se manifestar, para o bem da sociedade e do zelo do dinheiro público. No momento de Pandemia, é certo que não é apenas o vírus que mata, mas o desvio de dinheiro público e corrupção generalizada mata muito mais, pois é a origem da falta de serviços básicos e essenciais que são direitos da população, como uma saúde de qualidade, por exemplo.

By Nilton