Após vir a tona os primeiros atos administrativos realizados pela Presidência da Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Açailândia, principalmente no tocante a contratações/licitações e/ou a dispensa desta medida que visa evitar que conchavos sejam motivo maior para destino final do dinheiro público, a população, a Imprensa e opinião pública em geral espera um posicionamento firme por parte do Ministério Público.

Isso porque um dos primeiros atos executados pelo Presidente/Vereador Felisberg, patrocinado pelo grupo de 09 vereadores, foi contratar sem licitação ( utilizando-se de método com suspeita de premeditação, onde excluiu concorrência) um escritório de advocacia da Capital/ São Luís por R$ 180 mil reais, com repasses mensais de R$ 15 mil , exclusivamente para defender ele próprio e seu grupo das punições possíveis de ser aplicadas pela Justiça após a “lambança” cometida pelos tais parlamentares, quando da data de posse e eleição para a Presidência e mesa diretora da Câmara.

A maior ação esperada é por parte da competente e renomada Promotora Glauce Mara Lima Malheiros, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Açailândia. Isto porque sua forte atuação de fiscalização e combate a desvios de dinheiro público lhe tornou referência no Ministério Público do Estado do Maranhão, com ações nos Tribunais por Improbidade Administrativa tanto contra o Executivo quanto no Legislativo.

Só para relembrar os mais recentes anos de trabalho ativo da Promotora Glauce Malheiros, cita-se  as medidas tomadas contra o Ex Prefeito Juscelino Oliveira, bem como também ao Ex Presidente da Câmara de Açailandia, Vereador Ceará, deixando sempre evidente que não se tratava de condenação antecipada, mas que baseava seu trabalho de denúncias, nos indícios de possível uso indevido de verbas públicas.

Chegando a realizar Coletivas para a Imprensa na sede da Promotoria, onde esclarecia o que já tinha apurado e quais seriam as medidas a ser tomadas em defesa da população. É por estas memórias tão vivas, que não resta outro questionamento, qual seja o de quando a Promotora Galuce Malheiros vai se pronunciar sobre os atuais casos, se não ilegais, imorais que ora estão ocorrendo e que pelo levantamento já feito pelo Portal do Negão, torna a já famigerada contratação de escritório de advocacia em apenas uma ponta do inceberg, que precisa emergir (ficar as claras) para o bem dos Cofres Públicos e de quem paga os impostos que os abastecem.

By Nilton