FORA DE CONTROLE: Satélite chinês deve cair na Terra entre março e abril.

Apesar de ser difícil prever a data e local da queda, empresas acreditam que a reentrada na atmosfera deve ocorrer entre março e abril.

O seu nome significa “Palácio Celestial”, mas Tiangong-1, uma estação espacial chinesa de oito toneladas lançada em 2011, não permanecerá no céu por muito mais tempo. Após as visitas das equipes em 2012 e 2013, a missão de Tiangong-1 terminou oficialmente em março de 2016. Poucos meses depois, a agência espacial chinesa pareceu confirmar o que os observadores amadores já haviam suspeitado, que a estação estava fora de controle. A agência espacial disse que esperava que Tiangong-1 caísse do céu em algum momento no final de 2017. Na verdade, a estação ainda está lá em cima, orbitando a uma altura média de 250 quilômetros. Mas a inexatidão da previsão da agência é compreensível. Em baixas altitudes (qualquer coisa abaixo de cerca de 2 mil quilômetros), a mecânica orbital é uma ciência surpreendentemente imprecisa. A atmosfera externa fina da Terra exerce um deslocamento mensurável em qualquer coisa em uma órbita desse tipo, e esse deslocamento significa que, sem impulsos regulares, esse objeto sairá de órbita eventualmente. O próprio deslocamento, no entanto, não é constante. Então, é difícil dizer com antecedência quando a queda acontecerá. As mudanças na atividade do Sol, por exemplo, afetam a densidade da atmosfera externa, acelerando ou reduzindo a velocidade da decomposição da órbita. A interação entre o campo magnético da Terra e o vento solar tem efeitos semelhantes. No caso do Tiangong-1, porém, o fim é próximo o suficiente para que suposições sejam feitas. A Aerospace Corporation, uma consultoria americana, considera que 3 de abril é o dia mais provável. A Agência Espacial Europeia espera que aconteça em algum momento entre 29 de março e 9 de abril. Tiangong-1 é grande, mas não muito (a segunda fase do foguete russo Zenit, que é aproximadamente do mesmo tamanho, voltou à atmosfera no Peru em janeiro). Existe, no entanto, uma boa chance de que algumas partes sobreviverão à sua descida. Sem saber quando a estação cairá, é impossível dizer onde essas peças podem pousar, embora as características da órbita da estação signifiquem que será entre latitudes 43° norte (no norte da Espanha) e 43° sul (que passa pela Tasmânia). Onde quer que elas caiam, as peças descerão em uma longa e estreita linha, com as partes mais densas da estação viajando mais longe. Dessa forma, a chance de qualquer um dos detritos atingir alguém é baixa. O mundo é principalmente oceano. Por outro lado, mesmo em terra, as pessoas são pequenas e escassas em comparação com a área disponível. Nem, de fato, é conhecido alguém que tenha se machucado no retorno dos destroços desde que a era espacial começou (embora alguém tenha sido atingido, mas não ferido). O risco de tal lesão não pode, no entanto, ser descartado – e a chance de danos à propriedade, que ocupa uma fração maior da superfície da Terra do que as pessoas, é proporcionalmente maior. A maneira de eliminar esses riscos é a reentrada controlada. Como observa Jonathan McDowell, um astrofísico da Universidade de Harvard, isso está se tornando mais comum. Cerca de 40% dos estádios de foguetes que acabam no espaço, diz ele, agora podem reiniciar seus próprios motores e alterar suas órbitas. A maioria dos satélites maiores que cerca de cinco toneladas também vem equipado com motores próprios. Isso permite que seus controladores os apontem mais precisamente quando chegar o momento de descartá-los. O próprio Tiangong-1 provavelmente deveria ter sido guiado para o remoto Oceano Pacífico, o local de despejo de escolha para um hardware espacial ultrapassado, em 2013. Mas, explica McDowell, a estação foi mantida como um plano de seguro, caso o lançamento de seu sucessor, Tiangong-2, tivesse falhado. No caso, Tiangong-2 chegou à órbita em 2016 sem incidentes. Tiangong-1, entretanto, parou de funcionar – deixando seu destino nas mãos dos deuses do clima espacial em vez de seus controladores no chão.

Publicada por Josinaldo Smille

Desenvolvimento e Hospedagem: